Follow Us

A História do Palavrão

A História do Palavrão

A História do Palavrão é uma série de comédia documental orgulhosamente profana que explora as origens, o uso da cultura pop, a ciência e o impacto cultural dos palavrões.

Você sabia que falar palavrão aumenta sua resistência a dor e pode te dar até 5% mais de força ao apertar algo?

Falar palavrão é libertador. O profano que leva a glória.

De uma forma criativa, leve e educativa, a série “A História do Palavrão” faz pequenos passeios que buscam desmistificar os principais palavrões comuns desde sua origem. E assim como tantos termos podem ser ressignificados, o mesmo acontece com os palavrões ao longo da história.

A maior parte deles não surgiu como um palavrão, mas se tornou tabu a partir do próprio comportamento humano.

Com um formato simples e dinâmico – são seis palavrões explorados em seis episódios de aproximadamente 20 minutos cada – você pode maratonar tudo de uma vez como se estivesse vendo um filme ou ver uma dose por dia pra dar aquela distraída no almoço e quebrar o peso do home office.

A maior parte das piadas só funcionam para o público americano. As aplicações em cada contexto fazem mais sentido em inglês por questões lexicais e de aplicação prática. O maior exemplo é provavelmente a explicação na abertura do episódio “Shit”, quando o anfitrião fala que “Sugar, Honey e Ice Tea” escondem a abreviação de um dos palavrões mais imundos de todos e totalmente contrário á percepção da bebida: SHIT. Traduzindo a lógica não faz sentido algum, né? (Açúcar, mel e chá gelado…. AMCG não é o mesmo que MERDA).

Mas se você tem uma base mínima do idioma, vai entender tudo que precisa que aproveitar as piadas.

O fato é que, gostemos ou não, palavrões também são parte da cultura da humanidade. E podem denegrir ou empoderar de acordo com a época e o poder de ressignificar cara um deles dentro do contexto histórico.

Outro ponto forte da série são as inúmeras referências ao cinema e à música, comprovando os palavrões como herança cultural. Você sabia, por exemplo, que Samuel L. Jackson é o cara que mais disse “fuck you” na história do cinema? Ou que a frase “Você levanta até o defundo” é um tributo à música “When The Cowns Come Home”, de Lucille Bogan, conhecida pelo abuso do escracho verbal na era do blues, quando os porões guardavam toda a liberdade de expressão que as ruas não permitiam.

Leve, divertido e repleto de curiosidades, vale como uma viagem de complemento cultural.

E Nicolas Cage funciona como um anfitrião ao tentar passar alguma seriedade junto aos palavrões, apesar de, na minha opinião, existirem alternativas mais adequadas ao contexto.

Tem lá no Netflix.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *